Evitar Cismar e Fazer Comparações Sociais
26 de março de 2021
Como começou o Impulso Biográfico e o que ele pode fazer por você?
1 de abril de 2021

Aumentando as experiências de fluxo

Você já ouviu alguém falar que estava em “estado de flow”? Essa expressão se completamente traduzida para o português se torna algo como: estado de fluxo ou, simplesmente, estar em “fluxo”. Você sabe o que significa isso? Vamos tentar nos imaginar nas situações do nosso dia-a-dia… Sabem aquelas experiências nas quais ficamos tão compenetrados no que estamos fazendo que perdemos completamente a noção de tempo? Aquelas situações em que estamos completamente envolvidos com uma atividade, seja um trabalho, uma conversa com um amigo, a prática de um hobby, um jogo interessante ou uma caminhada ao ar livre, que ficamos tão focados e absortos que se passam horas e temos a sensação de que se passaram poucos minutos, e esquecemos inclusive de comer e até de ir ao banheiro? Aquelas experiências nas quais, muitas vezes, parece que nada mais no mundo importa? Se você se lembra de já ter vivido situações assim, então, você já teve a oportunidade de viver esse “estado de flow”, ou seja, você já esteve em fluxo.

O conceito de fluxo surgiu a partir de estudos realizados por Mihaly Csikszentmihalyi na década de 1960, quando pesquisava sobre o processo criativo. Nesse trabalho, o autor realizou entrevistas e observações de artistas, e relatou que: “constantemente eles ignoravam a fome, o desconforto e a fadiga enquanto trabalhavam em uma pintura, mas perdiam o interesse na obra assim que concluída. Ao descrever, usavam a metáfora de uma corrente que os arrastava bravamente para adiante. Isso é o fluxo.”

Sonja ressalta: “O fluxo, é um estado de intensa absorção com o momento presente. Você fica inteiramente imerso, centrado e alheio a si mesmo”. O pesquisador Csikszentmihalyi mostra ainda com sua pesquisa “que uma vida boa, feliz, é a que se caracteriza pelo fluxo, pela “completa dedicação ao que se faz”. E o segredo para entrar nesse fluxo está em encontrar um equilíbrio entre as habilidades e os desafios que nos propomos. Se o desafio for maior que nossas habilidades, a tendência é que a gente se sinta frustrado ou ansioso. Em contrapartida, se o que estivermos fazendo não for instigante o bastante para cada um de nós (não há fórmulas prontas que atenda todos), ficaremos entediados. A autora destaca, “o fluxo é um modo de descrever uma experiência que se encaixa exatamente no espaço ideal entre o tédio e a ansiedade. Sua felicidade depende de sua capacidade de encontrar esse espaço perfeito e extrair o fluxo do que estiver fazendo.”

Os benefícios do Fluxo:

Proporciona Prazer Natural:  É agradável e satisfatório, além de gerar prazer duradouro e fortalecedor. Ao contrário do prazer artificial ou hedonístico (aquela tendência de buscar o prazer imediato, individual, que muitas vezes não dura por muito tempo), traz uma experiência positiva, produtiva.

São recompensadores: Por isso, desejamos repetir essas experiências, o que nos leva para o paradoxo do nosso fluxo diminuir cada vez que dominamos mais as habilidades e, por consequência, o desafio passa a não ser mais tão grande assim (lembrando do equilíbrio entre desafio e habilidade). Daí, para mantermos nosso fluxo, a ideia é que continuemos investindo em atividades cada vez mais desafiadoras, além de ampliarmos nossas habilidades e/ou encontrarmos novas oportunidades para utilizá-las. Isso significa, a oportunidade de estarmos constantemente lutando, crescendo, aprendendo e nos tornando mais competentes, habilidosos e complexos.

Expansão: Isso significa a oportunidade de estarmos constantemente lutando, crescendo, aprendendo e nos tornando mais competentes, habilidosos e complexos.

Apreciar o caminho: a cada nova experiência positiva, acontece a rápida adaptação e crescem as expectativas. E Csikszentmihalyi ressalta: “Não há nenhum problema inerente a nosso desejo de expandir nossos objetivos, desde que apreciemos a luta ao longo do caminho”. O fluxo acontece durante o processo e não ao alcançar a meta.

Viver a vida: A experiência do fluxo nos convida a nos envolvermos com a vida, ao invés de nos alienarmos a ela; apreciemos as atividades, ao invés de nos entediarmos; que possamos experimentar a sensação de controle, ao invés de desamparo; e possamos sentir auto-estima fortalecida e que somos merecedores, ao invés de desmerecimento. Como destaca Sonja: “Todos esses fatores impregnam a vida de significado, emprestando a ela riqueza, intensidade e felicidade”.

Como aumentar as experiências de fluxo

Viver experiências de fluxo, como a própria autora reforça: “nos abre um mundo de infinitas oportunidades e possibilidades”. E esse exercício nos convida a ampliarmos nossa visão de mundo, investirmos na expansão da nossa mente e do nosso corpo, nos desafiarmos a realizar algo difícil, novo, de valor, e a encontrar recompensas a cada novo processo, vivendo e saboreando o momento presente da vida. Abaixo, seguem algumas recomendações que podem aumentar a vivência dessas experiências em nossas vidas. Analise qual delas faz mais sentido pra você e aproveite-a em sua vida!

Controle a atenção: Comprometer-se e envolver-se totalmente, dedicando sua atenção totalmente para a sua tarefa que escolher. O que você observa e no que presta atenção é a sua experiência, é a sua vida. Vale lembrar que, o tempo todo haverá muitas coisas para nos distrair, daí a importância de escolhermos como e em que investir. E ponto de equilíbrio também conta muito. Se o desafio for muito fraco haverá tédio ou apatia e nossa atenção é desviada; se o desafio for demais, resultará em stress e tensão, e a atenção se volta para nossas limitações.

Adotar novos valores: Esse exercício passa por dois grandes movimentos: 1. Nossa abertura para novas e diferentes experiências e 2. Aprendermos constantemente até o último dia de nossas vidas, seja coisas pequenas, simples, grandes ou complexas, o que importa é o constante aprendizado. Se pensarmos e observarmos, quando estamos próximos às crianças, percebemos que elas aprendem e vivem o estado de fluxo com naturalidade, no entanto, para nós adultos, essa experiência precisa ser mais consciente e trabalhada.

Aprender quais são os fluxos: Nos observarmos para termos clareza de quais períodos e atividades nos proporcionam entrar em fluxo, para que depois, possamos multiplica-las. Às vezes, achamos que pode ser mais no lazer, às vezes, no trabalho. A observação das dicas iniciais de como identificar quando estamos nesse estado ajudará nesse exercício.

Transformar as tarefas de rotina: A dica aqui é criarmos atividades de microfluxo, com objetivos e normas específicas que sejam desafiadoras e interessantes, e gerem uma vivência mais rica ou, pelo menos, não tão estressante quanto aquelas que a rotina acaba trazendo.

Fluxo na conversa: Se conversar, presencialmente ou eletronicamente, faz parte do seu dia-a-dia, esse exercício pode ser interessante para te auxiliar a ter momentos de fluxo. A dica é que durante uma conversa, concentremos nossa atenção da forma mais intensa possível no que a outra pessoa está falando e em nossas reações ao ouvir o que ela está dizendo. Darmos espaço para que a pessoa amplie seus pensamentos e estimularmos esse diálogo com perguntas, ao invés, de respostas rápidas, por exemplo, “e aí, o que aconteceu?” ou “e como você se sentiu?”, pode ser uma forma de ajuda nesse processo de aprendizado para que chegue em uma conversa fluída e que te gere esse momento de fluxo. Um grande objetivo, que pode ajudar nesse exercício, é buscar saber mais a respeito da pessoa com quem está conversando, e aos poucos as conversas vão ganhando mais naturalidade.

Lazer Inteligente: Um momento para relaxar é fundamental. Normalmente, temos um tempo limitado para isso, portanto, é natural querermos fazer algo especial quando temos essas horinhas tão sagradas. Vale a pena avaliarmos também se, quando estamos sem obrigações e temos a liberdade de escolher o que fazer, temos nos dado a oportunidade de escolher atividades que nos relaxem e também nos proporcionem momento de fluxo, como uma leitura que apreciamos, por exemplo.

Trabalho inteligente: O trabalho pode ser compensador, satisfatório e prazeroso se você for capaz de torná-lo assim. Considerá-lo algo grandioso e importante, gostar do que faz, colocar desafios para si próprios, muitas vezes se colocando tarefas a mais pelo prazer de realiza-las, vendo-se como um todo maior e integrado, servindo como parte de um sistema que melhora a vida das pessoas. A ideia é que possamos identificar como nosso trabalho pode maximizar o fluxo e o significado em nossas vidas, e como podemos nos beneficiar dessa nova perspectiva.

Lutar pelo superfluxo: Às vezes, podemos experimentar algo ainda mais grandioso que um estado de fluxo. Trata-se do que a autora nomeou como “superfluxo”, e acontece quando estamos não somente absorvidos e inconscientes de nós mesmos, mas também em absoluta transcendência. Alguns exemplos podem acontecer quando mergulhamos totalmente em uma música, interagimos com a natureza ou perdemos a noção do tempo durante um telefonema. Essas experiências de superfluxo nos fazem sentir mais felizes, criativos, amáveis, aumentam também nossa sensação de pertencimento, vigor e autoconfiança. Por isso, vale a pena lutarmos para alcançarmos o estado de superfluxo, sempre que possível.

Advertência: Será muito bom e especial se descobrirmos atividades com as quais nos identificamos e que nos liberem para a experiência de fluxo. No entanto, vale lembrar que algumas atividades, mesmo as consideradas construtivas pela sociedade – como trabalho voluntario ou brincar com nossos filhos – podem se tornar compulsivas. Por isso, vale a pena ficarmos atentos e, se nos percebermos frequentemente ignorando às necessidades das pessoas próximas de nós, isso pode ser um sinal de que precisamos reavaliar nossa dedicação de tempo para determinadas atividades.

O que achou desse texto? Gostaria de conhecer mais detalhes e outras técnicas que podem te ajudar a ser mais feliz? Entre em contato comigo e agende uma primeira sessão gratuita. Até breve!

Geise Trintinalia
Geise Trintinalia
Sou mãe de um príncipe encantador e tia de 3 sobrinhos maravilhosos. Minha família me nutre. Adoro uma rotina. Planejo tudo que é possível. Sou mais do dia do que da noite. Gosto de coisas bonitas, sofisticadas e elegantes. Aprecio fotos, ler um bom livro, ouvir uma boa música, viagens, decoração de interiores, receber amigos em casa. Nasci, cresci, estudei e trabalhei por muitos anos em São Paulo. Desde 2018, moro e atuo em Massachusetts, nos Estados Unidos, com atendimentos online e sempre engajada em me manter atualizada com as melhores ferramentas de mercado. Pautada em minha história de vida e realizações, meu Propósito de Vida é transformar sonhos em realidade de forma bela, cuidadosa, transparente e amorosa. E os valores que sustentam esse propósito são: Transformação, Experiências Marcantes, Liberdade, Clareza, Autenticidade e Beleza no Resultado. Com esse repertório, experiência e propósito, me coloco à disposição e será um prazer construir com você uma nova jornada de autoconhecimento e desenvolvimento ainda mais repleta de propósito e realização pessoal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *